Tudo começou num dia comum de abril de 2011… Estava voltando do trabalho (sim, eu sempre trabalhei, pasmem) pensando ainda em qual nome dar ao meu mais novo projeto, na verdade nada tão novo assim. Esse “projeto” em questão era uma ideia de negócio genérica até mesmo pra época (ó que nostalgia precoce rs). Meu business basicamente era: trabalhar nas horas vagas como freelancer desenvolvendo sites, identidade visual e afins. OK, nada inovador, mas funcionava bem e eu sempre tinha algum job nas mãos (minhas olheiras que o digam).

Como em casa de ferreiro o espeto é de pau (em alguns casos nem há ‘espeto’) eu também ainda não tinha um portfólio montado, um site decente nem nada disso. O meu faro – ainda pouco aguçado – por empreender me dizia que eu precisava de um nome, mas um nome empresarial, algo forte e diferenciado. Eu sempre fui apaixonado por criar nomes e marcas, mesmo que não saíssem do papel.

Voltando um pouco, nessa época eu já possuía um pequeno know-how em pensar um pouquinho fora da caixa, ou seja, desde os 19 anos eu já mantinha uma relação “emprego + negócios paralelos” de forma saudável e isso me trouxe uma experiência valiosíssima, além de certo reconhecimento. Agora, return to 2011

Como sempre, eu tento buscar algo que inove de fato, que tenha impacto, que possua um conceito e isso me fez vaguear mentalmente durante dias por várias ideias e dificilmente algo que me agradava cem porcento. Foi quando neste fatídico dia, voltando do trabalho, com a cabeça cheia de ideias, anseios, dúvidas, surgiu um nome composto na minha mente, algo muito forte pra que eu processasse rapidamente sem achar que estava copiando alguém (conhecem a história de Paul McCartney com “Yesterday”?).

GÊNIO CRIATIVO! É isso! Como uma expressão, como algo que represente um tipo de sentimento ou um diagnóstico psicológico de sei lá o quê… Genial! Ou será que não?!… Bom… chegando em casa eu penso e pesquiso melhor, aí chegarei numa conclusão.”
 

Então meus coleguinhas, o resto é história…

 
 
A partir daí, as coisas andaram num ritmo mais acelerado, esse embrião chamado Gênio Criativo começou a ganhar forma e isso me fazia buscar mais, evoluir a cada dia. Num dado momento eu deixei o meu emprego e encarei a temida situação de aspirante a micro-empresário. Ou autônomo mesmo (rs).

Eu possuía um site (feinho, porém validado pela W3C, rs), clientes praticamente fixos, um home-office e bastante coisa para administrar sozinho. Pense num freela tipo canivete suíço: eu era o desenvolvedor, designer, social media, atendimento, vendedor, redigia contratos, recibos, negociava preços, fazia reuniões tenebrosas… enfim. Coisa que muitos e muitos outros passaram e ainda passam, normal, ainda não vi ninguém morrer por isso. Essa condição, claro, me fez crescer muito como pessoa, como profissional, e me fez ter uma visão mais amplificada do funcionamento das coisas, tendo uma noção – mesmo que mínima – de como funciona um negócio.

Depois de muita luta, experiência, propostas e centenas de litros de café eu decidi parar. Não com tudo, mas sim, com o formato já muito difundido atualmente no mercado de design gráfico, web etc. Dei um tempo pra descansar o intelecto e deixar as coisas fluírem até que algo novo, que valesse ainda mais a pena surgisse. E estou aqui agora.

O negócio, ainda há pouco adormecido, voltou a ter o subtítulo de ‘projeto’.  Essa nova fase, do Projeto Gênio Criativo Ataca Novamente mostra que melhor do que surgir algo novo é: remodelar algo já existente e apresentar uma proposta ainda mais completa e inovadora que a estabelecida anteriormente. Resumindo, daqui em diante, o foco será produzir conteúdo que agregue os três principais elementos da nova comunicação: relevância, autoralidade e humanização.

Espero que, ao escrever posts genuínos, repassar conhecimento de forma única, buscar desenvolver novos projetos didáticos que envolvam criatividade, eu consiga atingir um novo nível e poder representar uma pequena fatia de meros mortais que pretendem dar o melhor de si ao mundo e ver isso refletido na realidade das pessoas ao seu redor. Este é só o começo!
 

Quem diria hein?!
E pensar que tudo começou num dia comum de abril de 2011…